2.1.07

You tube, I tube, todo mundo tube!

Ao som do Screeching Weasel! Toco desde 1993. Ao longo destes anos desenvolvi não só o amor pela música mas também o amor pela "correria". Pelo "fazer acontecer". Hoje eu diria que são coisas que se misturam . Não levanto bandeiras, não acho que o músico deve ser músico-produtor e acumular funções, mas de fato, comigo foi assim, com o CARBONA tem sido assim, e eu abraço as oportunidades e vivo estes dias com satisfação. Talvez se nossa trajetória tivesse sido outra, não estaria aqui agora. Mas não penso no "se" e sim no "o que é". E o meu presente é feito de acompanhar, entender , pesquisar para fazer a banda da qual faço parte continuar na estrada e continuar pulsando. Esse gosto pela "correria" tem me deixado alerta a tudo que anda acontecendo. E muito tem acontecido. Muito mesmo. De uma hora pra outra comecei a ver que muito do que aprendi começou a cair por terra. Antigas práticas de promoção artística passaram a não surtir mais efeito, velhas estruturas desmoronaram, novas forças apareceram, novas idéias surgiram, novas ferramentas e uma eterna busca por novos formatos de comunicação se estabeleceu. A forma de fazer música vem mudando, a forma de se produzir música vem mudando assim como a forma de vender e de consumir música. Uma dessas novas ferramentas, o You Tube, vem chamando minha atenção. E me fascinando. Fascinando não como "site de armazenar imagens" mas como algo que vem mudando a percepção de "qualidade" de áudio e "vídeo" , subvertendo a relação "qualidade técnica de gravação de áudio e vídeo X relevância do conteúdo". Até um tempo atrás viviamos a ditadura da qualidade, da estética de som perfeito, da alta fidelidade. A mesma tecnologia que criou mecanismos precisos de gravação e reprodução de som , se "domesticou" fazendo com que a produção de audio e vídeo estivesse ao alcance de muitos. O áudio "perfeitinho" e caríssimo perdeu espaço para o áudio e vídeo inusitado, criativo, interativo. Hoje somos capazes de ver um músico tocando violão no sofá do estúdio antes de gravar um disco milionário e essa gravação "tosca" parece causar mais comoção e despertar mais interesse do que o tal disco. Nada de mal nisso, apenas uma mudança na forma de se relacionar com áudio e vídeo. E isso é um fato! É notório que as pessoas estão dispostas a se "alimentar" e satisfeitas com os vídeos que estão sendo vistos no you tube. Vídeos que tem "conteúdo" e pouca forma ( isto é qualidade de gravação). A descoberta de que o prazer de ver sua banda tocando num barzinho segunda à noite pode ser mais legar do que o DVD perfeitamente iluminado e com 5.1 sei la o que vem causando mudanças. Pode não substituir a alta fidelidade, mas sem dúvida divide espaço. A própria decisão da MTV de não passar mais clipes em sua programação e deixá-los restritos ( será que cabe essa palavra???) ao MTV Overdrive (espaço web para video clipes) já não reflete essa mudança? Importante ficar claro aqui que não se trata a uma ODE ao TOSCO, ao porco ou ao "mal feito", mas sim um brinde ao endurecimento da queda de braço entre CONTEÚDO x QTGAV . Indo mais além nessa estória de you tube, chegamos na selvageria criativa da subversão Artista X Fã. Uma das coisas que mais tem me fascinado nessa estória toda. O vídeo clipe é um grande barato. Quando feito com cuidado e com participação do artista pode ser uma bela ilustração de "uma" das infinitas "versões" de uma canção. Pode ser algo legal. Por outro lado acaba limitando e influenciando na visão daquele que ouve a música. E neste momento, começamos a ver um movimento onde as pessoas começam a expressar e dividir com outros suas próprias leituras e visões. Achei no you tube dois desses vídeos do CARBONA e me fascinaram. Me fascinaram quando vi que um deles foi mais visto no you tube do que um de nossos clipes "oficiais". Fiz questão de trazer esses vídeos pra cá e dividí-los com vocês. Achei foda a sensação de ver ( eu já sabia que existia) concretizado uma leitura diferente da nossa. E ainda melhor, ver essa versão exposta pra outros. Fascinante! Sensacional! O clipe abaixo é da música "O fim do Mundo". Do nosso disco Cosmicômica de 2005. Clicando duas vezes você chega no criador do clipe! Não coloquei créditos aqui por q nao tenho nome e contato mas com dois clicks é possível acessá-lo pelo you tube!
A outra música que ganhou uma versão em clipe é 43 , uma música que o CARBONA gravou no seu disco de 2003.
Fico feliz de ver materializado a "relação" e "interação" das pessoas com a música do CARBONA. Vendo isso fiquei viajando na curtição de seus criadores "desenhando", "ilustrando", "pensando", "vivendo" as estórias e músicas! Agradeço aos criadores desses dois vídeos e convido e encorajo a todos a assití-los. Isso não é só um vídeo, e uma nova forma de interação e relação com som , imagem e criação artística! Por último pra ilustrar o grande barato do conteúdo, que tal JOHN FRUSCIANTE TOCANDO NA VIOLA Havanna Affair dos Ramones? Impagável! Paz e Rock!

2 comentários:

Rafael Barbosa disse...

Acho sempre foda essa interação público/banda. E com o Youtube hj em dia, fica muito mais fácil mostrar o q vc acha em relação as músicas e tal. Mto foda sua atitude de postar os clipes feito pelos fãs!
abraço

kk disse...

youtube>all