Pular para o conteúdo principal

Em casa ela dorme num caixão!

Consigo resgatar a imagem dela facilmente, sem fazer o menor esforço. Isso se deve ao fato de eu pensar nela pelo menos uma vez à cada estação, ou seja , quatro vezes no ano, que multiplicados pelos 14 anos, nos leva ao número mínimo de 56 noites em que pensei nela. Taí uma conta estúpida. Estúpida mas feita!

Dinamarquesa, morava com um gato, usava sobre-tudo fizesse chuva ou sol, tinha cabelos laranja, mas com uma mecha cinza, usava botas de combate, uma mochila preta de pano, arrotava, e usava uma medalha preta, com uma pedra negra fincada bem no centro, que me foi dada como presente junto com uma foto sua. Não tenho mais a medalha. Não tenho mais a foto. Mas tenho uma conexão forte que me faz sentar aqui e escrever sobre ela.

Quando a encontrei pela primeira vez, pensei uma série de besteiras. A segunda vez , idem. A imaginei morando num caixão, fazendo rituais. Quando a conheci, fiquei enlouquecido. O olhar expressivo, o YAH nórdico, o sorriso lindo envolto num sobre tudo espesso e pesado, exercia o mesmo fascínio que as luzes, quando acesas nos espetáculos em salas escuras.

Saímos algumas vezes pra comer pizza de pepperoni Tomávamos Pepsi, nunca Coca. Numa dessas vezes, eu vi a morte passando entre os carros parados no estacionamento. Comentei com ela e a deixei com medo. Nunca vi nada, nem senti nada de estranho em toda minha vida. Estranho mesmo é o que sua mente é capaz de fazer. Mas acreditem amigos, naquele dia eu vi a morte. E assustei aquela que pra mim era uma assombração.

Naquela época já era louco por música. Não me lembro de ter falado um nome de banda sequer com ela. Falávamos de filmes. Filmes de terror. Ela adorava hellraiser. Eu não. OK menti para vocês, a convidei para ir comigo num show do Poison Idea, ela disse não. Eu fui. Sendo assim pelo menos um nome de banda eu falei. Sei que ela gostava de Skinny Puppy. Um dia ela foi ao banheiro, apertei play em seu walkman: sombrio, industrial, estranho. Abri a tampa e li o nome. Skinny Puppy. Ela voltou pra mesa, olhou nos meus olhos, riu e com uma pronúncia muito pesada disse – “Badke”! , eu disse: Wencha. Ela me corrigiu: Not Wencha! Wencchhhhhhhha!

Postagens mais visitadas deste blog

PLAY REC, lay-outs de camisa, Guramas & Camila

Amanhã é dia de gravar! Está confirmada a gravação no estúdio BPM. Estarei gravando as guitarras e Dr. B gravando baixo nas 4 músicas do EP. Mais uma vez são elas: "Maria Sharapova", "A Melhor cerveja da Austrália", " Jogue os dados outra vez" e "Minhas canções". Estarei fazendo umas filmagens amanhã da gravação que serão disponibilizadas em MPGs no próprio cd que estará àvenda na TOUR e pelo correio também. Hoje foi dia de trrabalhar na arte de camisetas. É essencial para o sucesso de uma tour ( entende-se sucesso como sair de casa, tocar um mês e não ter q pagar o ônibus pra chegar em casa), ter um material de merchandising bacana+ discos para divulgar o trabalho e fazer um troco. Hoje trabalhei rapidamente em 2 lay-outs de camisa e gostaria de ouvir, na opinião de vocês qual o modelo mais legal. Um eu chamo de modelo "capa" pois é feito com elementos da capa do EP e outro é o modelo "mosrite". Se vcs puderem deixar um post

Show Acústico no Teto Solar!

Opa! No dia 29 de junho farei show no Teto Solar em Botafogo junto com exposição do Victor Stephan. Victao e ilustrador mestre ,autor da capa do Ciferal e amigo de longas datas e estamos promovendo este encontro para mostrar seus trabalhos e algumas musicas do Ciferal + hits carbonicos e musicas que eu gosto de bandas e artistas do rock gaúcho. Tudo isso num formato "polk" (punk+folk) turbinado pela participação da Cris Cafarelli que gravou o EP comigo. Fica aqui o convite para chegar la, dar uma sacada, uma ouvida e por que nao comer um dos melhores hamburguers do rio e beber uma cerveja?  Estive no Hanoi fazendo primeiro ensaio com a Cris neste final de semana e hoje a gente se encontra de novo , desta vez num esquema caseiro para passar / construir o set list do show.    Fiquem ligados! Paz!

Novo disco do CARBONA! Pré-lançamento digital dia 7 de setembro!

No dia 7 de setembro o novo disco do CARBONA “Dr Fujita Contra a Abominável Mulher-Tornado” será lançado. O que isso significa? Significa que todo mundo que visitar o site http://www.carbona.com.br/ do dia 7 de setembro à 7 de outubro poderá fazer download gratuito de todas as músicas do disco. Simples assim. Basta acessar o site, digitar CARBONA em um campo, realizar um pequeno cadastro e PUF! Poderá fazer download de todas as faixas do disco. Por que estamos fazendo isso? Porque queremos fazer nosso novo disco chegar a todos os fãs espalhados pelo Brasil e queremos conhecer aqueles que fizeram download do disco. A estes, que baixaram, serão oferecidas alternativas para nos remunerar caso queiram, através do oferecimento do CD físico, camisetas e outras coisas da banda. Nossa primeira gravação foi uma demo k7. De lá pra cá gravamos 8 cds, o último lançado há 3 anos atrás. Neste período muita coisa aconteceu na música. Múita coisa boa. Muita coisa ruim. Uma delas foi o enfraquecime